Enquete Infame

Olá, caros leitores.


Hoje quero trazer a vocês uma pequena mostra do que será um quadro de um projeto que estou elaborando com alguns amigos. Sendo bem conciso, este projeto consiste em um web programa (só com áudio) que abordará temas tão infames e gratuitos quanto seus criadores – como se o Brasil já não precisasse disso, mas acredito na força da livre expressão!


O site terá informações esdrúxulas em todos os sentidos da palavra, fatos irrelevantes, piadas de humor negro ou sem nenhum humor, e tudo que for de mais familiar em qualquer roda de amigos regados à cerveja, vodca ou alguns backs... Enfim, há espaço para todos, como uma mesa do bar da esquina. E como em toda boa mesa de bar, logo tratei de imaginar os primeiros debates. Algo que fosse tão informativo quanto esclarecedor, que nos liberte e nos encha de coragem para cogitar novas perguntas e respostas igualmente transformadoras. Eis que surge nossa primeira Enquete Infame, e quero que vocês participem desta em primeira mão.


A pergunta é: O que vocês pensam ao fazer o nº 2?

Sendo mais enfático ainda, refiro-me “àquele” nº 2 mesmo... Posto que o nº 1 é rápido demais para as divagações que quero abordar aqui.


Não se reprima – Não se reprima!

Que comecem os bombardeios! RS.

 

Carolinie F., you are doing it wrong!




Não. Definitivamente não.
Estou extasiado, boquiaberto, atordoado. As palavras saem da boca dessa garota, eu as escuto, e elas não fazem nenhum sentido.
O que consigo captar da segurança dessa mulher?
O que, meu deus, ela quer dizer?
Gente, encontramos a raiz mais firme que a filosofia mundana pode cavar no ser humano. Quando chegamos a este estágio, nossa língua não consegue (literalmente) acompanhar nosso pensamento, e os braços, pernas e lábios se tornam o que se parece uma floresta de epiléticos. Isso é a gesticulação transcendental. Ela nem precisava falar nada.

Cara, seria tão bom se ela não tivesse falado... Mas não, falou.
E mais, gravou. Corajosa.
O que se passa?O que está vivendo essa pessoa?
Em pleno Jardim Botânico (RJ), em uma “chuva transformadora”, explosões de pensamentos desordenados querem sair por um orifício descontrolado como uma metralhadora... assim como aqueles dias pós feijoada. E ela alcança o limiar da filosofia no sense.
Quis dizer algo, sem dúvida.Acredito que sua intenção era uma das melhores, se não salvar o mundo! Isto é louvável.Errar em misturar comprimidos com álcool também é perdoável.
Acontece que me sinto mal, me sinto medíocre diante minha “pequeneeeeeeeeessssszzzzzz” em não ter alcançado a máxima dessa mulher...
Tsc, tsc, tsc, tsc... Gente, não é assim.
O “you are doing it wrong” desse mês vai para a Carolinie Figueiredo.
Segundo o Kibe Loco, este é o melhor vídeo do ano (). De fato, é humanamente e filosoficamente impossível superar esse.
Parabéns, bunita.
 

Há os que vivem a Chorar...

... eu vivo pra cantar, e canto pra Viver..."


O mar cor de chumbo, as cristas prata...

a lua escondia-se atrás das nuvens que nem nos livros de Sherlock Holmes.

E o mar... a sensação que tive quando olhei pra ele era como se tivesse vendo DEUS em pessoa.

Juro.

Foi mágico.

Assisti o nascer do sol por completo....

do céu negro da noite, passando pelo crepúsculo escarlate, até o amanhecer azul e amarelo.

Sabe,

meu rosto gelado pelo vento frio e cortante que o mar trazia do infinito ser tocado pela primeira onda de calor do sol, do primeiro dia de 2010...

Aí, chorei.

Foi uma sensação muito boa.