#BarbaDay

Olá, personas!

Olha eu por aqui de novo, depois de um tempo de hibernação. São 18 horas do domingo 29 de julho, estou quase entrando em uma reunião com o grupo de estudos quando, no twitter, vejo a hashtag  #BarbaDay. UAU! Bem na semana do  #LingerieDay2012, evento do qual tirei muito sarro, aparece-me esta nova invenção!

Quem me conhece sabe que minha barba leva muito da minha personalidade! Nossa, não seria esse Adriano que vos fala sem ela. Seria outro Adriano. Não este. Então, aqui vai minha contribuição para este dia tão peculiar. 

Zoom. Smack.

Ensaio fotográfico à la Tim Burton.

ME SERVE, VADIA!

Todos temos aquela foto-banheirão básica.

A foto mais indexada que tenho na internet, gente...

Engraçado quando paramos pra pensar na mudança do nosso senso crítico sobre a estética do homem (e da mulher também) no decorrer dos anos. Percebemos que há, hoje, uma valorização do que é mais natural. Nada muito arrumadinho, nada muito certinho demais. As roupas seguiram uma tendência, e o despojado é algo que "pinta-se" em hypehoje em dia. 

Barbas por fazer, ou modelos mais arrojados: o negócio é usar o que você tem, pra melhor. Eu super compro a ideia, ODEIO fazer a barba. Prefiro usá-la ao meu favor. (666)

Conta-se que o movimento foi startado pelo tuiteiro @userporra, ano passado, e que esse ano "a causa" foi adotada pelo site Nada Errado, e que também tem até um Tumblr. para este "dia cabeludo". Noto nesse momento, em minhas redes sociais, é uma verdadeira avalanche de barbudos! kkkkkkk...

Bom, para quem gosta ou não, aqui fica minha contribuição! 
E mais do que isso, minha reivindicação: NÃO FAÇA A BARBA, FAÇA AMOR

kkkkkk... 
Beijos!
 

O Amor é Soberbo.

Olá, Gentes!

É, eu sei. Sumido, né? Mas estou voltando, aos poucos.
Tenho planos para o Tabloide Infame. É sério! ¬ ¬'


Bom, passei horas editando um vídeo de 1:46 para postar aqui! kkkk... Mentira, na verdade eu o fiz porque procurei no youtube por um material sobre esta Declamação (linda) que existe no álbum Zumanity, um dos espetáculos do Cirque du Soleil. Entretanto, não existia nada relacionado. Então, agora tem.

É uma declamação maravilhosa, da qual concordo 100%, sobre o amor. O nome da faixa original é Meditation, mas eu pus um novo título para essa edição amadora do material: O Amor é Soberbo.




------------ x ------------

O amor é belo,
Feroz e forte.
Insaciável, o fogo que tudo consome.
Um leão andando nas brasas vermelhas e quentes do desejo.
Amor é a sede que nunca sacia.
Uma chama sagrada que não pode ser apagada
Pelas chuvas congelantes da sobriedade.
Ou uma sociedade sufocada por noções de decoro.

Então, que tipo de amor é esse?
Este amor que não ousa falar seu nome?
Este amor que pendura sua cabeça na vergonha?
É este o assim chamado "amor", que sequer é digno de seu nome?

Amor verdadeiro não mente,
Não esconde,
E nunca será negado
O direito de cantar sua furiosa canção na tristeza das ruas vazias,
Do crepúsculo ao alvorecer.
O amor ri ao medo
E grita o seu nome para todos ouvirem.

O amor é belo,
Feroz e sonoro.
Mas além de tudo,
O amor é soberbo.


Tradução e Edição: Adriano Mariano.
Música: Meditation (Zumanity, Cirque du Soleil)
Cenas*: Liv Tyler (Arwen) e Viggo Mortensen (Aragorn).

*Imagens retiradas da obra The Lord of the Rings I e III


------------ x ------------


É, meus amigos. O Amor é Soberbo, acima de tudo. O sentimento que se inflama, e que olha para tudo com uma vista "de cima". Tem aquela força de passar por cima de tudo, e muitas vezes "de todos". Soberbo. 

Belo e Soberbo.